Os passos de Jadson no Furacão: Apoio do elenco, escolha do número e retorno aos gramados

jadson 28122019 de dezembro de 2004. Diante do Botafogo, pelo Brasileirão daquele ano, Jadson disputou a última partida pelo Furacão antes de se transferir para o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. Dezesseis anos depois, o meia voltou a vestir a camisa rubro-negra.

Ontem (27), contra o Vasco da Gama, Jadson entrou em campo aos 39′ do segundo tempo, no lugar de Richard. Mesmo com poucos minutos, mostrou a técnica conhecida por todos os athleticanos e participou de boas jogadas ofensivas.

 

“Fiquei muito feliz em poder reestrear com a camisa do Athletico. Tive a oportunidade de voltar para cá para iniciar meus trabalhos, depois de um ano sem treinar. Fiquei dois meses e meio fazendo treinamento intensivo de dois períodos”, destacou.

Nos 16 anos entre um jogo e outro, o meia conquistou títulos e prestígio por onde passou. Mas não esqueceu das raízes. “Tive o reconhecimento do Paulo (Autuori) para entrar. Foi importante estar naqueles minutos finais e voltar a sentir o gostinho de pisar nos gramados, ainda mais na Arena, que tive parte da minha história aqui. Então, tudo isso me deixou muito feliz”, completou.

Ontem (27), Jadson completou 90 partidas pelo Furacão. São 52 vitórias, 18 empates e 28 gols marcados. “Só agradecer a torcida athleticana. Conheço muito bem esse clube e foi onde iniciei tudo”, apontou.

“Tive a oportunidade de defender as cores naquele período e agora retornando. Entendo que pode ter aquela desconfiança de algumas pessoas. Mas vim para provar que tenho capacidade de voltar a jogar em alto nível, com o apoio de todos. Quero dar muitas alegrias ao torcedor athleticano”, acrescentou.

Numeração diferente, mas igualmente especial

Acostumado a carregar o número 10 nas costas, Jadson usará a camisa 91 neste retorno ao Furacão. A opção veio por respeito, fé e uma pitada de descontração.

“Sempre joguei com a camisa número 10. Como o Jorginho já estava usando aqui, me passaram a lista para escolher. Conversei com a minha esposa e meus filhos. Eu tenho o Salmo 91 tatuado no meu braço. Acredito muito em Deus e sou grato a ele por tudo que conquistei. Além disso, o 9+1 também dá 10. Então foi a minha escolha”, explicou.

Salmo 91 – Versículos 1 e 2

“Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará.
Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei”.

Fonte: athletico.com.br