Celsinho lamenta recuperação de pontos do Brusque e critica o STJD em caso de racismo: "Muito vergonhoso"

celsinho271021Vítima, meia do Londrina diz que decisão do STJD é um retrocesso e desperdício de oportunidade para "mudar tudo". Tubarão luta com Quadricolor contra o rebaixamento à Série C

O meia Celsinho, do Londrina, se manifestou com indignação sobre o Brusque ser absolvido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e recuperar os três pontos na luta contra o rebaixamento na Série B. Vítima do caso de racismo, ele falou em retrocesso e no desperdício de fazer algo diferente.

O STJD tinha uma grande oportunidade de mudar tudo. De fazer algo bem positivo. Ficar bem visto por todos e acabou dando um tiro no próprio pé. Ao invés de evoluir, eles retrocederam. Muito vergonhoso. Que grande decepção
— disse Celsinho, em contato com o Blog da Gabriela Moreira

Presidente da sessão do STJD, José Perdiz determinou a perda de um mando de campo, a ser cumprido em campeonato nacional, e o pagamento de multa de R$ 60 mil para o Brusque.

Já a punição a Júlio Antônio Petermann, presidente do Conselho Deliberativo e identificado como autor da declaração racista, foi mantida integralmente: suspensão por 360 dias e multa de R$ 30 mil.

Com a recuperação dos pontos, o Quadricolor passa a ter 44, sobe para a 14ª colocação e aumenta as chances de permanência na competição. O Londrina, de Celsinho, ocupa a 17ª posição, com 41 pontos. Remo (41) e Ponte Preta (43) estão entre os clubes que brigam contra o rebaixamento.

Lamentável. Eles tiveram todas as ferramentas em mãos para confirmar a decisão da Quinta Comissão Disciplinar. Nenhum auditor ali era negro, eles não sabem o que é
— Eduardo Vargas, advogado de Celsinho

A ofensa a Celsinho ocorreu em jogo da 21ª rodada da Série B, no estádio Augusto Bauer, em Brusque. Na súmula, o árbitro Fábio Augusto Santos Sá relatou que o meia ouviu a frase "vai cortar esse cabelo, seu cachopa de abelha" ao final do primeiro tempo.

Em julgamento da 5ª Comissão Disciplinar do STJD, em setembro, o Brusque foi punido com a perda de três pontos e também com multa de R$ 60 mil por causa do episódio. Já o conselheiro do Brusque, Júlio Antônio Petermann, identificado na ocasião, admitiu no julgamento ter sido o autor da ofensa. Ele recebeu uma suspensão de 360 dias e uma multa em R$ 30 mil.

No dia 8 de outubro, o STJD negou um recurso do Brusque para reverter a perda dos pontos. Em carta, os jogadores do Brusque disseram que o grupo é composto em sua maioria por afrodescendentes e que a decisão do tribunal não penaliza o responsável pelo ato.

Logo em seguida, Celsinho rebateu o texto dos atletas e falou que "a punição foi branda". Ele ainda destacou que poderia ser maior, com a exclusão do Brusque na competição.

Além da questão desportiva, Celsinho registrou um boletim de ocorrência sobre que ocorreu na partida contra o Brusque e também foi ouvido pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), em Londrina. O jogador relatou tanto o episódio contra o time catarinense como os outros dois casos anteriores, em jogos com o Goiás e com o Remo, ambos em julho, quando foi vítima de ofensas proferidas por profissionais de rádio durante as transmissões das partidas.

Com apoio do departamento jurídico do Londrina, Celsinho também está tomando medidas nas esferas criminal e cível sobre os três casos em foi alvo de falas racistas.

No caso registrado em Goiânia, durante o jogo Goiás x Londrina, em julho, a Polícia Civil indiciou por injúria racial os dois radialistas que falaram ofensas contra Celsinho, dizendo que o cabelo do jogador era “pesado” e “imundo”. Eles foram indiciados com agravamento de pena, por terem feito comentários em um meio que facilitou a divulgação. Já os casos registrados em Belém e em Brusque aainda não foram concluídos.

Agenda do Londrina

Vila Nova x Londrina: 19/11, sexta, 21h30 - OBA
Londrina x Vasco: 28/11, domingo, 16h - estádio do Café

Fonte: ge.globo.com