Celsinho se diz à vontade como maestro do Londrina e enaltece poder de fogo do segundo melhor ataque da Série B

celsinho 130717Camisa 10 do LEC tem cinco assistências e dois gols na competição; contrato termina em dezembro

O Londrina tem o segundo ataque mais positivo da Série B (apenas um gol a menos que o vice-líder Internacional: 38 a 37) e um dos responsáveis diretos por esse ótimo desempenho ofensivo é o meia Celsinho. Articulador das jogadas, o “maestro” do Tubarão, cujo contrato se encerra em dezembro, elogia o poderio ofensivo da equipe, fala do papel de camisa 10 e revela que o LEC está vivo na briga pelo acesso.

“Fazemos muitos gols, nos cinco primeiros jogos do returno foram nove, e dei três assistências. Mesmo com trocas de peças, nosso nível se mantém. Com o Belusso tínhamos um ataque mais leve, ele se movimentando bastante, o Arthur pelo lado e comigo fazendo essa articulação. A entrada do Carlos Henrique também enriqueceu o time, a característica agora é de controle de bola, continuamos com um ataque muito perigoso e temos um finalizador nato”, avaliou o meio-campista.

Feliz com seu momento individual e à vontade na função de cérebro da equipe, Celsinho participou diretamente de sete gols do LEC nesta Série B, com dois tentos e cinco assistências.

“O papel de camisa 10 nesse ataque me agrada muito, vem de encontro com aquilo que faço nos treinos. Os números mostram que temos o segundo melhor ataque da competição e não é à toa. Estou satisfeito com isso, principalmente por fazer parte disso com gols e assistências. Esse bom desempenho na frente me deixa feliz porque é nisso que mais me dedico no dia a dia”, disse o jogador de 29 anos, com vínculo com o clube até 31 de dezembro.

Diante da boa performance do ataque do Londrina, Celsinho considera que o acesso é um sonho possível. Apesar das seis posições que separam os paranaenses do G-4, o articulador vê o clube na briga pela Série A 2018.

“Continuamos vivos na competição, estamos nove pontos atrás do G-4 e temos condições de diminuir a diferença. Restam 14 jogos e vejo que temos total capacidade de dar uma arrancada. Tenho certeza que alcançaremos esse objetivo. E quando entrarmos no G-4, dificilmente a gente sai. Tenho muita fé nesse acesso”, ponderou Celsinho.


Rafael Alvarez
Assessoria de Imprensa – Think Ball & Sports Consulting